Pesquise Aqui

header ads

Programa Mais Médicos

Foi publicada a Medida Provisória nº 621/2013 criando o Programa Mais Médicos

O artigo 2º desta norma diz que os gestores locais do SUS devem celebrar termo de adesão para implantar Curso de Medicina no Município. Isto pode garantir recursos financeiros e profissionais para a saúde no Município.

O gestor local, ou seja, o Prefeito e o Secretário Municipal de Saúde, devem tomar a iniciativa e providenciar aquilo que é necessário para aproveitar o Programa Mais Médicos. Cobre dos gestores do seu Município! Não deixe que passe esta oportunidade de ter melhores condições de saúde para a população.


Brastra.gif (4376 bytes)
Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
Institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. 
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS 
Art. 1o  Fica instituído o Programa Mais Médicos, com a finalidade de formar recursos humanos na área médica para o Sistema Único de Saúde - SUS e com os seguintes objetivos:
I - diminuir a carência de médicos nas regiões prioritárias para o SUS, a fim de reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;
II - fortalecer a prestação de serviços na atenção básica em saúde no País;
III - aprimorar a formação médica no País e proporcionar maior experiência no campo de prática médica durante o processo de formação;
IV - ampliar a inserção do médico em formação nas unidades de atendimento do SUS, desenvolvendo seu conhecimento sobre a realidade da saúde da população brasileira;
V - fortalecer a política de educação permanente com a integração ensino-serviço, por meio da atuação das instituições de educação superior na supervisão acadêmica das atividades desempenhadas pelos médicos;
VI - promover a troca de conhecimentos e experiências entre profissionais da saúde brasileiros e médicos formados em instituições estrangeiras;
VII - aperfeiçoar médicos para atuação nas políticas públicas de saúde do País e na organização e funcionamento do SUS; e
VIII - estimular a realização de pesquisas aplicadas ao SUS. 
Art. 2o  Para consecução dos objetivos do Programa Mais Médicos, serão adotadas, entre outras, as seguintes ações:
I - reordenação da oferta de cursos de medicina e vagas para residência médica, priorizando regiões de saúde com menor relação de vagas e médicos por habitante e com estrutura de serviços de saúde em condições de ofertar campo de prática suficiente e de qualidade para os alunos;
II - estabelecimento de novos parâmetros para a formação médica no País; e
III - promoção, nas regiões prioritárias do SUS, de aperfeiçoamento de médicos na área de atenção básica em saúde, mediante integração ensino-serviço, inclusive por meio de intercâmbio internacional.  
CAPÍTULO II
DA AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE MEDICINA 
Art. 3o  A autorização para o funcionamento de curso de graduação em medicina, por instituição de educação superior privada, será precedida de chamamento público, e caberá ao Ministro de Estado da Educação dispor sobre:
I - pré-seleção dos Municípios para a autorização de funcionamento de cursos de medicina, ouvido o Ministério da Saúde;
II - procedimentos para celebração do termo de adesão ao chamamento público pelos gestores locais do SUS;
III - critérios para autorização de funcionamento de instituição de educação superior privada especializada em cursos na área de saúde;
IV - critérios do edital de seleção de propostas para obtenção de autorização de funcionamento de curso de medicina; e
V - periodicidade e metodologia dos procedimentos avaliativos necessários ao acompanhamento e monitoramento da execução da proposta vencedora do chamamento público.
§ 1o  Na pré-seleção dos Municípios de que trata o inciso I do caput, deverá ser considerada, no âmbito da região de saúde:
I - a relevância e a necessidade social da oferta de curso de medicina; e
II - a existência, nas redes de atenção à saúde do SUS, de equipamentos públicos adequados e suficientes para a oferta do curso de medicina, incluindo, no mínimo, os seguintes serviços, ações e programas:
a) atenção básica;
b) urgência e emergência;
c) atenção psicossocial;
d) atenção ambulatorial especializada e hospitalar; e
e) vigilância em saúde.
§ 2o  Por meio do termo de adesão de que trata o inciso II do caput, o gestor local do SUS compromete-se a oferecer, para a instituição de educação superior vencedora do chamamento público, a estrutura de serviços, ações e programas de saúde necessários para a implantação e para o funcionamento do curso de graduação em medicina.
§ 3o  O edital previsto no inciso IV do caput observará, no que couber, a legislação sobre licitações e contratos administrativos, exigirá garantia de proposta do participante, e multa por inexecução total ou parcial do contrato, conforme previsto respectivamente no art. 56 e no inciso II do caput do art. 87 da Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993.
§ 4o  O disposto neste artigo não se aplica aos pedidos de autorização para funcionamento de curso de medicina protocolados no Ministério da Educação até a data de publicação desta Medida Provisória. 
CAPÍTULO III
DA FORMAÇÃO MÉDICA NO BRASIL 
Art. 4o  Para os ingressantes nos cursos de medicina a partir de 1o de janeiro de 2015, a formação do médico abrangerá dois ciclos distintos e complementares entre si, correspondendo:
I - o primeiro ciclo, à observância das diretrizes curriculares nacionais, com o cumprimento da carga horária não inferior a sete mil e duzentas horas; e
II - o segundo ciclo, a treinamento em serviço, exclusivamente na atenção básica à saúde no âmbito do SUS, com duração mínima de dois anos, conforme regulamentação do Conselho Nacional de Educação - CNE, homologada pelo Ministro de Estado da Educação.
§ 1o  O segundo ciclo não dispensa o estudante de medicina do estágio curricular obrigatório de treinamento em serviço supervisionado, em regime de internato, desenvolvido durante o primeiro ciclo do curso e disciplinado em conformidade com as diretrizes curriculares nacionais.
§ 2o  Sem prejuízo da necessária supervisão acadêmica a cargo da instituição de educação superior à qual o estudante de medicina esteja vinculado, o segundo ciclo será realizado sob supervisão técnica de médicos, detentores de título de pós-graduação.
§ 3o  Durante a realização do segundo ciclo, é assegurada aos estudantes de medicina a percepção de bolsa custeada pelo Ministério da Saúde, em valor estabelecido em ato do Ministro de Estado da Saúde. 
Art. 5o  Ao estudante de medicina aprovado no primeiro ciclo, conforme certificado expedido pela correspondente instituição de educação superior, será concedida permissão para o exercício profissional da medicina, válida exclusivamente para as atividades do segundo ciclo de formação.
§ 1o  A inscrição no segundo ciclo de formação é condição necessária e suficiente para expedição da permissão de exercício profissional de que trata o caput pelos Conselhos Regionais de Medicina.
§ 2o  O segundo ciclo de formação é considerado componente curricular obrigatório do curso de graduação em medicina e será inscrito no histórico escolar do estudante.
§ 3o  O diploma de médico somente será conferido ao estudante de medicina aprovado no segundo ciclo de formação.
§ 4o  O segundo ciclo de formação poderá ser aproveitado como uma etapa dos programas de residência médica ou de outro curso de pós-graduação, nos termos definidos pelos Ministérios da Educação e da Saúde, ouvida a Comissão Nacional de Residência Médica - CNRM.  
Art. 6o  As instituições de ensino superior promoverão a adequação da matriz curricular dos cursos de medicina para atendimento ao disposto nesta Medida Provisória, nos prazos e na forma definida pelo CNE, em parecer homologado pelo Ministro de Estado da Educação.
Parágrafo único.  O CNE terá o prazo de cento e oitenta dias, contado da data de publicação desta Medida Provisória, para submeter o parecer referido no caput ao Ministro de Estado da Educação. 
CAPÍTULO IV
DO PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL
 Art. 7o  Fica instituído, no âmbito do Programa Mais Médicos, o Projeto Mais Médicos para o Brasil, que será oferecido:
I - aos médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado no País; e
II - aos médicos formados em instituições de educação superior estrangeiras, por meio de intercâmbio médico internacional.
§ 1o  A seleção e ocupação das vagas ofertadas no âmbito do Projeto Mais Médicos para o Brasil observará a seguinte ordem de prioridade:
I - médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado no País;
II - médicos brasileiros formados em instituições estrangeiras com habilitação para exercício da medicina no exterior; e
III - médicos estrangeiros com habilitação para exercício de medicina no exterior.
§ 2o  Para fins do Projeto Mais Médicos para o Brasil, considera-se:
I - médico participante - médico intercambista ou médico formado em instituição de educação superior brasileira ou com diploma revalidado; e
II - médico intercambista - médico formado em instituição de educação superior estrangeira com habilitação para exercício da medicina no exterior.
§ 3o  A coordenação do Projeto Mais Médicos para o Brasil ficará a cargo dos Ministérios da Educação e da Saúde, que disciplinarão, por meio de ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde, a forma de participação das instituições públicas de educação superior e as regras de funcionamento do Projeto, incluindo a carga horária, as hipóteses de afastamentos e os recessos.
 Art. 8o  O aperfeiçoamento dos médicos participantes ocorrerá mediante oferta de curso de especialização por instituição pública de educação superior e envolverá atividades de ensino, pesquisa e extensão, que terá componente assistencial mediante integração ensino-serviço.
§ 1o  O aperfeiçoamento de que trata o caput terá prazo de até três anos, prorrogável por igual período caso ofertadas outras modalidades de formação, conforme definido em ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde.
§ 2o  A aprovação do médico participante no curso de especialização será condicionada ao cumprimento de todos os requisitos do Projeto Mais Médicos para o Brasil e à aprovação nas avaliações periódicas.
 Art. 9o  Integram o Projeto Mais Médicos para o Brasil:
I - o médico participante, que será submetido ao aperfeiçoamento profissional supervisionado;
II - o supervisor, profissional médico responsável pela supervisão profissional contínua e permanente do médico; e
III - o tutor acadêmico, docente médico que será responsável pela orientação acadêmica.
§ 1o  São condições para a participação do médico intercambista no Projeto Mais Médicos para o Brasil, conforme disciplinado em ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde:
I - apresentar diploma expedido por instituição de educação superior estrangeira;
II - apresentar habilitação para o exercício da medicina no país de sua formação; e
III - possuir conhecimentos de língua portuguesa.
§ 2o  Os documentos previstos nos incisos I e II do § 1o sujeitam-se à legalização consular gratuita, dispensada a tradução juramentada, nos termos de ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde.
 Art. 10.  O médico intercambista exercerá a medicina exclusivamente no âmbito das atividades de ensino, pesquisa e extensão do Projeto Mais Médicos para o Brasil, dispensada, para tal fim, a revalidação de seu diploma nos termos do § 2o do art. 48 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
§ 1o  Fica vedado ao médico intercambista o exercício da medicina fora das atividades do Projeto Mais Médicos para o Brasil.
§ 2o  Para exercício da medicina pelo médico intercambista no âmbito do Projeto Mais Médicos para o Brasil será expedido registro provisório pelos Conselhos Regionais de Medicina.
§ 3o  A declaração de participação do médico intercambista no Projeto Mais Médicos para o Brasil, fornecida pela coordenação do programa, é condição necessária e suficiente para a expedição de registro provisório pelos Conselhos Regionais de Medicina, não sendo aplicável o art. 99 da Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980, e o art. 17 da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957.
§ 4o  O registro provisório será expedido pelo Conselho Regional de Medicina no prazo de quinze dias, contado da apresentação do requerimento pela coordenação do programa de aperfeiçoamento, e terá validade restrita à permanência do médico intercambista no Projeto Mais Médicos para o Brasil, nos termos do regulamento. 
§ 5o  O médico intercambista registrado provisoriamente estará sujeito à fiscalização e ao pagamento das anuidades estabelecidas pelo Conselho Regional de Medicina em que estiver inscrito, conforme legislação aplicável aos médicos inscritos em definitivo.
§ 6o  O médico intercambista não participará das eleições do Conselho Regional de Medicina em que estiver inscrito.
 Art. 11.  As atividades desempenhadas no âmbito do Projeto Mais Médicos para o Brasil não criam vínculo empregatício de qualquer natureza.
 Art. 12.  O médico intercambista estrangeiro inscrito no Projeto Mais Médicos para o Brasil fará jus ao visto temporário de aperfeiçoamento médico pelo prazo de três anos, prorrogável por igual período em razão do disposto no § 1o do art. 8o, mediante declaração da coordenação do projeto.
§ 1o  O Ministério das Relações Exteriores poderá conceder o visto temporário de que trata o caput aos dependentes legais do médico intercambista estrangeiro, incluindo companheiro ou companheira, pelo prazo de validade do visto do titular.
§ 2o  Os dependentes legais do médico intercambista estrangeiro poderão exercer atividades remuneradas, com emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
§ 3o  É vedada a transformação do visto temporário previsto neste artigo em permanente. 
§ 4o  Aplicam-se os arts. 30, 31 e 33 da Lei no 6.815, de 1980, ao disposto neste artigo.
 Art. 13.  Os médicos integrantes do Projeto Mais Médicos para o Brasil poderão perceber bolsas nas seguintes modalidades:
I - bolsa-formação;
II - bolsa-supervisão; e
III - bolsa-tutoria.
§ 1o  Além do disposto no caput, a União concederá ajuda de custo destinada a compensar as despesas de instalação do médico participante, que não poderá exceder a importância correspondente ao valor de três bolsas-formação.
§ 2o  Fica a União autorizada a custear despesas com deslocamento dos médicos participantes e seus dependentes legais, conforme dispuser ato conjunto dos Ministros de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Saúde.
§ 3o  Os valores das bolsas e da ajuda de custo a serem concedidas e suas condições de pagamento serão definidos em ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde.
 Art. 14. O médico participante enquadra-se como segurado obrigatório do Regime Geral de Previdência Social - RGPS, na condição de contribuinte individual, na forma da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991.
Parágrafo único.  Ficam ressalvados da obrigatoriedade de que trata o caput os médicos intercambistas:
I - selecionados por meio de instrumentos de cooperação com organismos internacionais que prevejam cobertura securitária específica; ou
II - filiados a regime de seguridade social no seu país de origem, que mantenha acordo internacional de seguridade social com a República Federativa do Brasil.
 Art. 15.  Poderão ser aplicadas as seguintes penalidades aos médicos participantes do Projeto Mais Médicos para o Brasil que descumprirem o disposto nesta Medida Provisória e nas normas complementares:
I - advertência;
II - suspensão; e
III - desligamento das ações de aperfeiçoamento.
§ 1o  Na hipótese do inciso III do caput, poderá ser exigida a restituição dos valores recebidos a título de bolsa, ajuda de custo e aquisição de passagens, acrescidos de atualização monetária, conforme definido em ato conjunto dos Ministros de Estado da Educação e da Saúde.
§ 2o  Na aplicação das penalidades previstas neste artigo, serão consideradas a natureza e a gravidade da infração cometida, assegurados o contraditório e a ampla defesa.
§ 3o  No caso de médico intercambista, o desligamento do programa implicará o cancelamento do registro provisório e do registro de estrangeiro.
§ 4o  Para fins do disposto no § 3o, a coordenação do Projeto Mais Médicos para o Brasil  comunicará o desligamento do médico participante ao Conselho Regional de Medicina e ao Ministério da Justiça.
 Art. 16.  As demais ações de aperfeiçoamento na área de atenção básica em saúde em regiões prioritárias para o SUS, voltadas especificamente para os médicos formados em instituições de educação superior brasileiras ou com diploma revalidado, serão desenvolvidas por meio de projetos e programas dos Ministérios da Saúde e da Educação.
§ 1o  As ações de aperfeiçoamento de que trata o caput serão realizadas por meio de instrumentos de incentivo e mecanismos de integração ensino-serviço.
§ 2o  Aplica-se o disposto nos arts. 11, 13, 14 e 15 aos projetos e programas de que trata o caput.
 CAPÍTULO V
DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 17.  Para execução das ações previstas nesta Medida Provisória, os Ministérios da Educação e da Saúde poderão firmar acordos e outros instrumentos de cooperação com organismos internacionais, instituições de educação superior nacionais e estrangeiras, órgãos e entidades da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, consórcios públicos e entidades privadas, inclusive com transferência de recursos.
Art. 18.   Ficam transformadas, no âmbito do Poder Executivo, sem aumento de despesa, cento e dezessete Funções Comissionadas Técnicas - FCT, criadas pelo art. 58 da Medida Provisória no 2.229-43, de 6 de setembro de 2001, do nível FCT-13, em dez cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS, sendo dois DAS-5 e oito DAS-4.
 Art. 19.  Ficam os Ministérios da Saúde e da Educação autorizados a contratar, mediante dispensa de licitação, instituição financeira oficial federal para realizar atividades relacionadas aos pagamentos das bolsas de que trata esta Medida Provisória.
 Art. 20.  Fica a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH autorizada a conceder bolsas para ações de saúde, a ressarcir despesas, a adotar outros mecanismos de incentivo a suas atividades institucionais, e a promover as ações necessárias ao desenvolvimento do Programa Mais Médicos, observada a Lei no 12.550, de 15 de dezembro de 2011.
 Art. 21.  Poderá ser concedida bolsa para atividades de preceptoria nas ações de formação em serviço nos cursos de graduação e residência médica ofertados pelas instituições federais de educação superior ou pelo Ministério da Saúde.
 Art. 22.  Os médicos participantes e seus dependentes legais ficarão isentos do pagamento das taxas e emolumentos previstos nos arts. 20, 33 e 131 da Lei no 6.815, de 1980, e no Decreto-Lei no 2.236, de 23 de janeiro de 1985.
 Art. 23.  Para os efeitos do art. 26 da Lei no 9.250, de 26 de dezembro de 1995, os valores percebidos a título de bolsa prevista nesta Medida Provisória e na Lei no 11.129, de 30 de junho de 2005, não caracterizam contraprestação de serviços.
 Art. 24.  O quantitativo dos integrantes dos projetos e programas de aperfeiçoamento de que trata esta Medida Provisória observará os limites dos recursos orçamentários disponíveis.
Parágrafo único.  As despesas decorrentes da execução dos projetos e programas previstos nesta Medida Provisória correrão à conta de dotações orçamentárias destinadas aos Ministérios da Educação, da Defesa e da Saúde, consignadas no Orçamento Geral da União.
 Art. 25.  Os Ministros de Estado da Educação e da Saúde poderão editar normas complementares para o cumprimento do disposto nesta Medida Provisória.
 Art. 26.  A Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, passa a vigorar com as seguintes alterações:
 “Art. 2o  .........................................................................
...............................................................................................
XI - admissão de professor para suprir demandas excepcionais decorrentes de programas e projetos de aperfeiçoamento de médicos na área de atenção básica em saúde em regiões prioritárias para o Sistema Único de Saúde - SUS, mediante integração ensino-serviço, respeitados os limites e as condições fixados em ato conjunto dos Ministros de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, da Saúde e da Educação.
.....................................................................................” (NR)
 “Art. 4º  ..........................................................................
...............................................................................................
IV - três anos, nos casos das alíneas "h" e "l" do inciso VI e dos incisos VII, VIII e XI do caput do art. 2o desta Lei;
..............................................................................................
Parágrafo único. .............................................................
...............................................................................................
V - no caso dos incisos VII e XI do caput do art. 2o, desde que o prazo total não exceda seis anos; e
....................................................................................” (NR)
 Art. 27.  Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação.
 Brasília, 8 de julho de 2013; 192o da Independência e 125o da República.
 DILMA ROUSSEFF
Aloizio Mercadante
Alexandre Rocha Santos Padilha
Miriam Belchior
Este texto não substitui o publicado no DOU de 9.7.2013

Postar um comentário

23 Comentários

  1. esse programa e mais dinheiro pra aquele maldicoado daquele prefeito alberto magno roubar, ele e o diabo da filha dele, ladroes do inferno, maldito desgracado, miseravel, maldito seja tu alberto magno serrao mendes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Povo sem inteligência por isso são sempre roubados, vão estudar

      Excluir
  2. Deus da e tira paceiro, esse prefeito que mentiu ate pro propio amigo dele imagina os eleitores, ele gosta mesmo `e de bandido igual a ele. nuca tinha visto isso pai e filha tao louco por donheiro olha Deus nao castiga vcs pref

    ResponderExcluir
  3. deicha de ser bandido prefeito teus amigps tao todos de fora quem ti ajudou vc vai ter o troco logo agora em 2014

    ResponderExcluir
  4. ele colocou todos de teodoro pra trabalhar, e agnt q trabalhou muito nao ta empregado, e aqueles malditos q lutaram a vida toda pra destruir aquele miseravel tao trabalhand e ganhand dinheiro na boa, e aind falam mal dess prfeito desgracado, mas esse bandido nao.si elege mais, ele pode fazer o q ele kiser, eu sei d muitas pessoas q trabalharam com ele desd qnd ele veio pra turilandia, e essas pessoas nao votam mais nele. ess desgracado vai si laskar

    ResponderExcluir
  5. Pessoal vamos manter o nível, palavrões não vão mudar a personalidade ridículas do pref. Nosso povo é sofredor mais nunca será vencido. Deus e vivo e td que Alberto estar fazendo de mal pra as pessoas que o elegeu deus lhe devolverá em dobro. ...

    ResponderExcluir
  6. O texto não tem nada a ver com esses comentários recalcados, acordem vcs queriam o 70 agora reclamam. Quem elegeu o 70 foi o povo do curió ou seja não sabe fazer nada exceto pedir migalhas. Nesse governo não coube vcs

    ResponderExcluir
  7. Turilandia esta cada dia pior

    ResponderExcluir
  8. eu como ex 70 vou ter mair prazer de ti destruir vc vai pagar porque Deus nao dorme .pu Vcs mesmo gosta e de bandido quem te ajudou no eniso da tua eleicao vc lagou de mao . Mas grasa a Deus tosos trabalhm

    ResponderExcluir
  9. Manezinho do Turi14 de julho de 2013 10:40

    Na realidade o maior problema do Brasil é acabar com a ladroagem dos Prefeitos e demais politicos. Este é o maior cancer que nos aflige, Quanto mais dinheiro vem pior fica, pois eles acham que comprar ambulância é fazer saúde. Enquanto se eleger analfabeto e ladrão não vamos sair desta situação. O exemplo está aqui - Quanto o Alberto já recebeu, para onde foi o dinheiro além é claro da fazenda que ele comprou e hoje se esconde com a quadrilha. Vamos acabar com os ladrões antes que eles acabem com o Brasil.

    ResponderExcluir
  10. Manezinho do Turi14 de julho de 2013 10:41

    Estes dois prefeitos que ficam separados por uma ponte vieram só para uma coisa - roubar e já roubaram bem. Os bestas ficam olhando e não sabem o que dizer e ainda batem palmas. Viva os bêstas de Turilândia e Santa Helena.

    ResponderExcluir
  11. Manezinho do Turi14 de julho de 2013 10:42

    A única coisa que melhorou em Turilândia foi a produção de maconha, que o diga o Caburé.

    ResponderExcluir
  12. Manezinho do Turi14 de julho de 2013 10:43

    Cadê o Portal da Transparência de Turilândia? Cadê o Ministério Público que nada faz contra os ladrões?

    ResponderExcluir
  13. galaera alberto vai dar casa pra quem nao tiver, e si ir na casa dele q vxs si enfirmaram melhor, esse q e prefeito

    ResponderExcluir
  14. Alberto tem que rouba mais nessas casa minha cs minha vd, pra tania dar pra kele drogado que Alberto asustenta com o dinheiro de turilandia

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkkkk é verdade, bombadão e muito pregriçoso, o cara so sabe comer e dormir..!

    ResponderExcluir
  16. vc vai se arrepender prefeito maudito tu pensa por vc ser prefeito so tu q pode as coisa, ma nda as pessoas entrar pra tu figir fazer os zotros de idiota por o povo de turilandia nao ti que mais ak mintirozo

    ResponderExcluir
  17. vc vai se arrepender prefeito maudito tu pensa por vc ser prefeito so tu q pode as coisa, ma nda as pessoas entrar pra tu figir fazer os zotros de idiota por o povo de turilandia nao ti que mais ak mintirozo

    ResponderExcluir
  18. vc vai se arrepender prefeito maudito tu pensa por vc ser prefeito so tu q pode as coisa, ma nda as pessoas entrar pra tu figir fazer os zotros de idiota por o povo de turilandia nao ti que mais ak mintirozo

    ResponderExcluir
  19. vc vai se arrepender prefeito maudito tu pensa por vc ser prefeito so tu q pode as coisa, ma nda as pessoas entrar pra tu figir fazer os zotros de idiota por o povo de turilandia nao ti que mais ak mintirozo

    ResponderExcluir
  20. VOCES TEM MUITO O QUE FALAR; POR QUE ANTES VOCES NAO TINHAM MEDICOS NO HOSPITAL E AGORA VOCES TEM E AINDA FICAM RECLAMANDO..... BANDO DE INJUSTOS... VOCES AINDA VAO TER MUITAS E MUITAS SUPRESAS QUE ALBERTO MAGNO 70.... ELE VAI FAZER VARIAS ESCOLAS PRA NOSSOS FILHOS ESTUDAR; VAI CONTRUIR HOSPITAL; E O MAS IMPORTANTE E QUE ELE PAGAR TODOS OS SEUS FUNCIONARIOS EM DIAS; E HOJE NA FARMACIA BASICA DO POSTO DE SAUDE DO BAIRRO SANTO ANTONIO TEM TODOS OS MEDICAMENTOS BASICO..... E MAS DEIXAM O HOMEM TRABALHAR POIS NAO QUERO VER NINGUEM ATRAPALHAR.... BANDO DE CORRUPTOS.....NAO VAO CHORAR... CRUSQUEDO MAMAE.... NAO CHORAM NAO

    ResponderExcluir
  21. PARABENS KAROL; CONCORDO PLENAMENTE COM VOCE; POIS VOCE NAO E COMO ELE FALAM... VOCE NAO E PUXA SACO DE ALBERTO NAO; POR QUE JA FUI CONSULTAR LA POSTO DO SANTO ANTONIO E LAR A EQUIPE MEDICA ME TRATARAM SUPER BEM E AINDA CHEGUEI EM CASA FELIZ JA COM O MEU MEDICAMENTO TOTALMENTE GRATUITO; QUE NA GESTAO ANTERIOR NAO TINHA ESSA COISA... EU AGRADECO A DEUS E PRIMEIRO LUGAR E EM SEGUNDO AO PREFEITO ALBERTO MAGNO... POIS EU ESTAVA COM PLROBLEMA DE SAUDE E GRACAS A DEUS; DEUS ME CUROU.... PARABENS ALBERTO E CONTAMOS COM A SUA ATITUDE SEMPRE.... TURILANDIA AGRADECE....

    ResponderExcluir
  22. EH VERDADE JESSICA JA ACONTECEU O MESMO COMIGO... EITA PREFEITO BOM...

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião.
Atenção: Comentários com palavras ofensivas ou críticas fora de propósito, ligados ou não ao tema,serão deletados. Ataques pessoais ou a marcas, difamações, racismo ou obscenidades não são permitidos.